Acabamento brilhante ou fosco?

papel brilhante ou fosco

Em uma gráfica, não é segredo pra ninguém que existem inúmeras opções de acabamento de valorização que e possível escolher para uma peça. Dentre eles, talvez os mais famosos e que têm relação direta com a impressão são os brilhantes e foscos. Mas aí fica a dúvida: qual escolher? Existe um que seja melhor ou mais recomendado?

Primeiro, é importante desmistificar a ideia de superioridade entre esses acabamentos. O importante mesmo é entender que cada um deles pode ser a escolha ideal para situações distintas.

O acabamento brilhante é conhecido como uma opção excelente quando o objetivo principal é evidenciar as cores e deixá-las mais vivas e saturadas. Também é conhecido por refletir bastante a luz e trazer um acabamento mais chamativo à peça.

Já o acabamento fosco ou matte, é poroso e pode dispersar um pouco mais as cores, deixando-as com um pouco menos de definição. Por esse motivo, é muito utilizado em peças com poucos tons ou em preto-e-branco. Praticamente não reflete e é menos chamativo.

Agora que você já conhece os principais atributos desses tipos de acabamento, pode escolher o que tem mais a ver com o seu projeto. Para impressões, acabamentos gráficos e outros serviços, entre em contato com a Composer.

Salvar o documento em RGB ou CMYK? Entenda as diferenças de uma vez por todas

Imagine a seguinte situação: alguém observa que a arte de um cartaz, foto ou convite está linda no computador, com tonalidades bem vivas e harmoniosas, entretanto no momento de imprimir as cores saem completamente diferentes, gerando desconforto e muitas dúvidas.

Momentos assim não são raros e podem acontecer com frequência na área de impressão. Mas, se você já passou por algo parecido, nesse post vamos explicar uma maneira de impedir.

A variação das cores nas telas e nos impressos, estão diretamente ligadas aos tipos de sistema de padrão de cores. Os mais famosos são o RGB e o CMYK:

RGB – É uma sigla que significa o nome das cores Red (vermelho), Green (verde) e Blue (azul). Somadas, elas podem produzir a luz branca e, por isso, são usadas para reproduzir as cores fielmente em telas de câmeras, tablets, televisões, computadores e monitores em geral.

Sistema RGB. Nele as cores vermelho, verde e azul conseguem compor a luz branca. Imagem: OpenClipart-Vectors/Pixabay

Sistema RGB. Nele as cores vermelho, verde e azul conseguem compor a luz branca. Imagem: OpenClipart-Vectors/Pixabay

CMYK – Essa sigla é formada pelo nome das cores Ciano (azul ciano), Magenta, Yellow (amarelo) e Key (preto). E diferentemente do RGB que usa a luz para formar cores, o CMYK trabalha com pigmentos. Ou seja, todas as artes que tem a intenção de serem impressas devem ser ajustadas para esse sistema antes.

O sistema CMYK é ideal para impressos. Imagem: PaulGillings/Pixabay

O sistema CMYK é ideal para impressos. Imagem: PaulGillings/Pixabay

Por esse motivo, muitas vezes ao imprimir as cores não saem iguais as da tela. É preciso salvar a imagem em CMYK antes de imprimir. Caso um material impresso seja mandado para a gráfica em RGB, todas as cores sairão trocadas.

Então, para solucionar esse problema é só seguir essas dicas:

Vai reproduzir a imagem somente no monitor (em sites ou nas redes sociais)? Use RGB.

Vai imprimir? Salve em CMYK.